Imagem de Nossa Senhora das Lágrimas é restaurada para a 130ª Romaria que ocorre entre os dias 16 e 28/02 em Caraá

A 130ª Romaria de Nossa Senhora das Lágrimas ocorrerá entre os dias 16 e 28 de fevereiro, no Alto-Caraá, município de Caraá, onde está localizado o Santuário Diocesano. Para a edição deste ano, a imagem de Nossa Senhora das Lágrimas com o menino Jesus, que é visitada pelos milhares de romeiros/as foi restaurada pelo Atelier Fernando Pozzer.

A iconografia apresenta uma representação de Maria sentada no trono, com coroa dourada, manto azul e túnica rosa. Mãos em gesto de oração, adornadas por um terço. Menino Jesus deitado em seu colo apenas com o pano da pureza branco.

De acordo com o profissional, a restauração se deu por meio de um profundo processo de conservação e restauro entre os meses de setembro e outubro deste ano. A necessidade de recuperação da imagem se deu por conta do desgaste do tempo e pelo frequente toque das mãos dos romeiros em agradecimento a uma graça atendida ou para com fé pedir a intercessão da mãe Maria.

 

Saiba mais sobre o trabalho de conservação e restauração da imagem de Nossa Senhora das Lágrimas, AQUI!

 

De acordo com o pároco da Paróquia São Cristóvão, Pe. Gibrail Walendorff, a Romaria de Nossa Senhora das Lágrimas é planejada com envolvimento da Igreja, comunidade local e poder público, contando com apoio do município de Caraá e cidade vizinhas como Osório e Santo Antônio da Patrulha, buscando proporcionar um ambiente seguro e acolhedor.

Na programação o destaque vai para a preparação para a Romaria com a realização da Novena, que inicia no dia 16/02, às 20h, e seguirá até o dia 24/02. Nos dias 25 e 26 são voltados para a acolhida dos romeiros e no dia 28/02 a Romaria marca o Dia de Nossa Senhora das Lágrimas.

Além das celebrações em diversos horários em cada dia, espaços para confissões espirituais são disponibilizados aos romeiros. A lojinha de artigos religiosos também estará em funcionamento durante a novena e a Romaria. Confira abaixo a programação completa.

 

Orientações gerais acordadas com organizadores e poder público:

1) Todas as missas serão rezadas em espaço aberto (nos pavilhões) ou ao ar livre no Altar Monumento;
2) As confissões serão realizadas em um espaço apropriado;
3) Será aberta a lojinha de artigos religiosos durante a novena e a romaria;
4) Haverá no Salão do Santuário alimentação, água e refrigerantes para lances rápidos (galeto, salsichão, pão e cuca….).
5) A Secretaria de Agricultura e Turismo irão organizar os colaboradores do município para colocar alimentos e artesanato local e do Santuário;
6) A prefeitura Municipal vai disponibilizar entre os dias 26 e 28 uma viatura da ambulância para acompanhar a romaria e a brigada militar fará uma vigilância constante durante o período;
7) Será colocado publicamente o Alvará de liberação do Corpo de Bombeiro;
8) Não será permitido acampamento no perímetro do Santuário durante a semana; será autorizado apenas para a estadia de um dia;
9) Não será permitida a venda de bebida alcoólica e vendedores ambulantes, todos estão sujeitos a fiscalização e apreensão pela Brigada Militar.

 

Programação:

16/02, quinta-feira – Missa de abertura da Novena, às 20h, com Pe. Gibrail Walendorff e Pe. Jackson William F. dos Santos
17/02 sexta-feira, às 20h – Missa e confissões
18/02, sábado, às 20h – Missa e confissões
19/02, domingo, às 09h – Missa e confissões
19/02, domingo, às 15h – Missa e confissões
19/02, domingo, às 20h – Missa* e confissões
*Celebração da Luz (levar velas). O domingo central da novena é caracterizado pela oferta de cera. Durante horas as pessoas, em fila, apresentam ao pregador da Novena uma ou mais velas indicando a intenção pela qual oferecem a cera. Essas são horas muito intensas de acolhimento familiar.

20/02, segunda-feira, às 20h – Missa e confissões
21/02, terça-feira, às 20h – Missa e confissões
22/02, quarta-feira, às 20h – Missa e confissões
23/02, quinta-feira, às 20h, Missa e benção do Santíssimo
24/02, sexta-feira, às 20h – Missa**
**Benção de roupas e objetos de devoção: Após a bênção das roupas, na parte da tarde, antes do início da novena, as pessoas fazem fila para subir até a imagem sagrada do altar-mor. Um padre ou diácono coloca os objetos que as pessoas pretendem abençoar no vidro do afresco. Um gesto simples que assenta no fato de aquela parede estar encharcada de lágrimas e suor da Virgem. Um gesto que proclama a proximidade de Nossa Senhora às nossas alegrias e dores.

25/02, sábado, às 8h – Missa de acolhida dos Romeiros Peregrinos
25/02, sábado, às 10h – Missa e confissões
25/02, sábado, às 15h – Missa e confissões
25/02, sábado, às 17h – Missa, confissões e Oração do Terço
25/02, sábado às 21h – Missa e Confissões
26/02, domingo, às 6h – Missa de acolhida dos Romeiros
26/02, domingo, às 9h – Missa e confissões
26/02, domingo, às 12h – Missa
26/02, domingo, às 15h – Missa Solene presidida pelo bispo da Diocese de Osório, dom Jaime Pedro Kohl e os presbíteros presentes
27/02, segunda-feira, às 20h, Missa da Vigília***
***Após a missa será coberta a imagem de Nossa Senhora das Lágrimas com o menino Jesus. Esse véu representa a angústia daquela antiga noite de palpitação (aflição, medo, agressão), significando o terror que invadiu o coração de Trevigllio naquele ano de 1522, quando souberam que o general L’autre estava se preparando para atacar e destruir a cidade.

28/02, terça-feira, às 08h – Missa****
****Missa de revelação da Imagem, denominada a Festa “do milagre”.

28/02, terça-feira, às 15h – Missa com benção da saúde e dos peregrinos.

 

O início da devoção

Historicamente a Lombardia vivia em constantes lutas entre os Franceses e os Espanhóis. Em Trevilho o tenente Francisco Landriano, o soube inculcar no espírito da juventude trevilhense o ódio contra os franceses. Esta e outras ações dos soldados jovens Trevilhenses provocaram a ira do marechal francês Lautrec, que, reuniu suas forças bélicas e acampou com seu exército em Gera d’Adda, para a qualquer momento saquear a cidadezinha de Trevilho. Isto na tarde memorável, ameaçadora e desesperadora de 27 de fevereiro de 1522.

Diante desta imagem os sacerdotes e o povo se alternavam em contínuas e fervorosas orações implorando proteção e a libertação de Trevilho do saque iminente.

Eis que de repente. Todos acorreram para a Capela do Convento. E todos constataram: na verdade, o quadro pintado na parede da Mãe de Deus gotejava lágrimas dos olhos e suor de todo corpo!

Mais: a lacrimação tão maravilhosa teve duração ao longo do período de nada menos de 7 horas, isto é, das 8 horas da manhã até as 15h da tarde. O Marechal Lautrec, diante da realidade indiscutível das lágrimas de Nossa Senhora, e unicamente por força das lágrimas da Mãe de Deus, se deixou comover e vencer: retirou a ordem de extermínio e proclamou o perdão à cidadezinha!

E, como homenagem à Virgem Maria, depôs aos seus pés o capacete e a espada, tendo sido imitado por seu irmão, Conde de Lescons, e pelos oficiais e soldados.

Em 1584 o Cardeal Carlos Borromeu pediu ao Papa Gregório XIII, o encaminhamento do processo para aprovação da lacrimação da Imagem de Nossa Senhora como Milagre! Nem tardou é claro, a iniciativa de construir-se um templo condigno a Nossa Senhora, a qual passou a chamar-se “das Lágrimas”. No dia 16 de junho de 1619, passado já 97 anos da ocorrência do milagre o Cardeal Frederico Borromeu presidiu à inauguração do Santuário de Nossa Senhora das Lágrimas.

Em meados de 1886 chegavam ao Brasil – Rio Grande do Sul os primeiros imigrantes Bergamascos, inclusive muitos das vizinhanças da cidade de Trevilhio para a Paróquia da Vila Caraá.

Se instalaram especificamente nas localidades de Alto Caraá, Linha Padre Vieira, Morro Agudo, Passo Osvaldo Cruz, Alto Grota, Colônia Fraga e Cará Central.

Entre os primeiros imigrantes trevilhenses se encontram: Antônio Petró; Angelina Colombo Petró; e Isidoro Longoni, personagem decisiva na história de Alto Caraá, e sobretudo na implantação da Devoção de Nossa Senhora das Lágrimas, que é o único caso de repetição no mundo inteiro.

Consta na tradição popular que Isidoro Meregalli (que deixou de ser Longoni), fez uma promessa a Nossa Senhora das Lágrimas pedindo a cura de sua esposa Regina, que era muito doente.

A graça foi alcançada, como gesto de gratidão tomou a iniciativa de iniciar a devoção a Nossa Senhora das Lágrimas, mandou fazer uma Imagem de Nossa Senhora, exatamente idêntica a de Trevilho, em Caxias do Sul. Coordenou a construção da primeira Igreja de madeira, concluída em apenas dois anos, em 1893.

A Capela passou a ser Santuário através de um pedido encaminhado pelo Cônego Edgar Pedro Heck, pároco da Paróquia Santo Antônio da Patrulha, ao Arcebispo, Cardeal Vicente Scherer, que outorgou à Igreja o título e o privilégio de “Santuário”, por portaria assinada em 02/12/1980. Portanto, o que antes já era “de fato”, tornou-se por este ato também “de direito”.

Oração a Nossa Senhora das Lágrimas

Lembrai-vos, ó venerável Virgem Maria, Mãe das Lágrimas, nunca se ouviu dizer que algum daqueles devotos que têm recorrido à vossa proteção, implorando a vossa clemência e pedindo o vosso socorro, fosse por vós desamparado. Animado com igual confiança, a vós recorro, de vós me valho e, gemendo sob o peso dos meus pecados, me confio a vossa poderosa intercessão junto ao teu Filho Jesus Cristo. Não desprezeis as minhas súplicas, muitas vezes feitas em forma de lágrimas. Dignai-vos, ó Mãe, ouvi-las e me alcançar o que vos rogo. Por vossas santas e inocentes lágrimas dignai-vos conseguir-me de vosso divino Filho o perdão de meus pecados, uma fé viva e ardente, e a graça que agora, vos peço…  Oh! Minha Mãe e esperança minha, em vosso Coração Imaculado ponho toda minha confiança. Amém.

 

(Rezar um Pai Nosso, uma Ave Maria, uma Salve Rainha e um Glória ao Pai pela graça recebida.)

Realização: Diocese de Osório e Paróquia São Cristóvão

Apoio: NetComet