Diác. Roque José Walker

Diác. Roque José Walker

Nascimento: 27 de agosto de 1948

Ordenação Diaconal: 18 de maio de 2012

Roque José Walker, nasceu no dia 27 de agosto de 1948, em Porto Novo/SC. Filho de Arnoldo Nicolau Walker e Helma Rhoden, batizado na Paróquia São Pedro Canísio, do mesmo município, no dia 4 de setembro de 1948. No dia 1º de setembro de 1953, recebeu a Crisma na Paróquia São João Berchmans, então Prelazia de Palmas.

Casou com Terezinha Catarina Fritzen, também professora, no dia 29 de maio de 1976, na Igreja Nossa Senhora do Rosário de Pompeia, em Porto Alegre, com quem teve três filhos: Cesar Augusto, Felipe José e Raquel.

Profissionalmente dedicou sua vida ao magistério, foi um professor muito dedicado e zeloso. Em todas as escolas em que lecionou deixou um exemplo de trabalho consciente, um testemunho de fé, interesse pelo bem e crescimento dos alunos que muito estimava.

Na comunidade, antes de ser diácono, foi Ministro Extraordinário da Eucaristia, conduziu a Pastoral do Batismo, colaborou com a Pastoral da Comunicação e pertenceu ao grupo do Encontro de Casais com Cristo na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Osório.

Sua formação de nível superior foi no campo da Filosofia. Em vista do diaconato, de 2009 a 2012, frequentou o curso de Teologia para Diáconos, na Escola Diaconal Santo Estevão, em São Leopoldo.

Como trabalho de conclusão do curso desenvolveu o tema: “A Igreja de Cristo”, mostrando o seu amor a Cristo e à Igreja.

Recebeu os ministérios de Leitor e Acolito no dia 12 de fevereiro de 2012 e, no mesmo ano, no dia 18 de maio, foi ordenado Diácono pelo Bispo da Diocese de Osório, dom Jaime Pedro Kohl, na Igreja Catedral Nossa Senhora da Conceição, em Osório.

A partir dessa data exerceu o seu ministério diaconal junto à Paróquia Nossa Senhora da Conceição com muito esmero, preparando-se muito bem nos serviços que lhes eram solicitados. Sempre se mostrou muito disponível e atento, seja na Paróquia da Catedral, como a todos os padres que pediam sua colaboração. Nunca dizia que não podia. Sua generosidade e desprendimento edificava a todos.