A Voz do Bispo › 18/07/2018

Para onde vamos? 

Vivemos um momento difícil no nosso Brasil. Ficamos um tanto quanto perdidos querendo adivinhar a direção que as coisas vão tomar. Parece que estamos como “ovelhas sem pastor” num país marcado por muitas lideranças políticas descomprometidas com as necessidades do povo, pouco interessadas com as reais situações de sofrimento e carências. Sensação de viver num país sem direção e cheio de crises nos três poderes que comandam a nação brasileira. 

O que falta mesmo em nossos políticos são as atitudes de compaixão e reconhecimento de que as riquezas do país são de todos os brasileiros e não propriedade de uns poucos. É lamentável que se privilegie apenas os interesses de um grupo seleto em detrimento da grande massa totalmente desprotegida, como também sentir a presença das lideranças apenas em tempos da campanha eleitoral por causa do voto. 

Quando as lideranças políticas vão assumir as atitudes de pastores e não de mercenários? O abandono significa trair o compromisso assumido de representar as pessoas diante da condução do país. Muita gente fica “ao Deus dará”, perdida e forçada a lançar mão de práticas escusas e ao uso da violência.  

A história registra fases diversas na caminhada do povo. As marcas da má gestão não são atitudes de hoje, e é o que vemos também nos textos da Sagrada Escritura. O sofrimento dos pobres perpassa pelos acontecimentos e momentos da vida, muitas vezes consequência de uma cultura desorientada, mal conduzida e traída por quem foi credenciado capitaneá-la.  

“Ai dos pastores que deixam perder-se o rebanho! Vós dispersastes o meu rebanho, e o afugentastes e não cuidastes dele; eis que irei verificar isso entre vós e castigar a malícias de vossas ações” (Jr 23, 1ss). Como no tempo do profeta, esperamos que o Senhor faça nascer um ‘descendente de Davi’, que faça valer a justiça e o direito em nossa terra. 

Vivemos um descontentamento geral, gerado pela desconfiança em relação a tudo. Falta orientação e condução para colocar o trem nos trilhos e avançar em direção do desenvolvimento sustentável para todos.  

Será que neste Estado laico, não está faltando um pouco de Deus? Será que a atitude de bem pastorear não é exigência de todos os que têm responsabilidade de governar um país?  

“Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor” (Mc 6,34).  

Estamos aguardando sinais mais claros que visualizem rumos e projetos consonantes com o Reino de Deus. 

 

Para refletir: 

1. Estou acompanhando com interesse o momento delicado que estamos vivendo em nosso país? 

2. Tenho consciência clara que a ocasião das eleições que se aproximam é oportunidade para uma virada para o futuro do nosso povo que padeça a más governança de muitos dos nossos políticos? 

3. Nas minhas responsabilidades tanto na família como na comunidade e sociedade oriento-me pelas atitudes do bom pastor?  

 

Textos Bíblicos: Jr 23,1-6; Sl 22; Mc 6,30-34. 

 

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.