A Voz do Bispo › 06/12/2018

Natal é Dialogar

O tema do segundo encontro do nosso livreto de encontros em preparação para a celebração do santo Natal é o “Diálogo”.

Lembremos que o primeiro encontro nos convidava à acolhida. E dizíamos que se ‘Natal é vida que nasce e Cristo que vem’ como cantamos nesse tempo, então o que nos cabe é acolher a Cristo em nossa vida, em nossa família e comunidade, quais presépios de Belém, na mais pura simplicidade e singeleza de coração. Acolhida que se dá sempre que acolhemos um irmão ou irmã sem nenhuma discriminação.

No segundo encontro, partindo da essência do Natal nos faz refletir sobre o diálogo, a comunicação, o movimento de decida do Deus vivo que vem assumir a realidade humana, colocando sua tenda entre nós para que nós humanos possamos, em Cristo, participar da natureza divina.  Nessa mediação e por iniciativa Dele podemos subir até Deus, ou seja, encontrar Deus que está mais perto de nós do que nós imaginamos.

O mistério da encarnação começa com um diálogo entre o anjo Gabriel e a jovem de Nazaré. Dá-se em quatro momentos: o convite de Deus através da saudação do  Anjo: “Alegra-te cheia de Graça, o Senhor é contigo!”; Maria ficou perturbada sobre o que isso significava e perguntou: “como se dará isso se não conheço homem algum?”; o anjo lhe assegurou: “O Espírito Santo virá sobre você e te cobrirá com sua sombra…”; por fim o seu consentimento: “Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra”.

Que diálogo feliz e abençoado que beneficiar toda a humanidade a partir de agora marcada pela presença do divino entre os humanos. Nós cristãos sempre que escutamos Deus, sua Palavra e suas propostas de vida estabelecemos esse mesmo diálogo e movimento de subida e decida, uma verdadeira comunhão de vida humana e divina. O cristão, portanto, ou é pessoa de diálogo, capaz de dar e receber ou não é ainda autenticamente cristão.

O diálogo é, também, um caminho de aproximação das pessoas e de humanização das relações. O individualismo torna a pessoa indiferente e incapaz de dialogar. A preparação ao Natal nos oferece a oportunidade de visitar as pessoas, de sairmos de casa e não nos fecharmos em nosso pequeno mundo. Há muita vida ao nosso redor e é preciso participar de tudo o que nos faz mais fraternos.

O papa Francisco, com sua simplicidade, nos mostra que esse caminho de diálogo no contexto familiar se resume em três palavras: “com licença, obrigado, desculpa”. Levado a sério é caminho de santificação.

 

Para refletir:

1. Como dialogar em tempos de tanto fechamento e individualismo?

2. Como aprender a escutar e a falar com Deus e com os irmãos e irmãs no cotidiano?

3. O que o Papa nos indica como caminho para o diálogo?

 

Textos Bíblicos: Lc 1, 26-38; 1Rs 19, 9-15; Sl 26(25)

 

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.