A Voz do Bispo › 25/09/2020

Espiritualidade Bíblica

Dizíamos nas reflexões anteriores que devemos aproximar as Sagradas Escrituras não como algo, mas como alguém, pois para nós, a Bíblia é palavra viva, realiza aquilo que anuncia.

Volto a insistir sobre esse tema, pois acredito que seja de suma importância para a renovação de nossas comunidades cristãs e para a evangelização. Temos na Diocese de Osório a rica experiência dos Grupos de Famílias que, há 20 anos, caminham sustentados pela Palavra de Deus.

Todas as paróquias já fazem sua catequese de preparação para o Batismo, Eucaristia e Crisma a partir da Leitura Orante da Bíblia. Nossos grupos, pastorais e movimentos seguem por esse mesmo caminho na sua motivação espiritual. A Bíblia é sempre ponto de partida para a nossa vida espiritual.

Na medida que, frequentamos as Sagradas Escrituras com fé e docilidade de coração vamos absorvendo o pensamento de Deus e construindo uma relação de amizade profunda e forte com Ele, que aos poucos – ao natural – vamos assumindo seus ensinamentos, valores e jeitos de viver.

Hoje, são milhões e milhões os que leem a Palavra de Deus e dela se alimentam. É muito frequente receber e enviar textos breves via meios eletrônicos. Tudo ajuda a fundamentar a vida em princípios simples e sólidos; estimular uma vida de retidão e justiça onde quer que estejamos: em casa, no trabalho, no encontro com as pessoas…

A espiritualidade bíblica sempre liga com a vida. Ela enfatiza a gratuidade e valoriza o aspecto da festa. Diante da injustiça, fome, pobreza, escravidão… a Palavra suscita resistência e profecia. Jesus retomou a espiritualidade profética e propagou seus traços como sinais do Reino de Deus. Da Bíblia brota uma espiritualidade contemplativa, feita de escuta e silêncio.

Quanta coisa bonita presente nas páginas Sagradas que nos revelam o rosto de Deus! Quantas espiritualidades diferentes e complementares surgiram na Igreja inspiradas nas Sagradas Escrituras!

Se prestarmos atenção, a Palavra nos coloca constantemente em diálogo com Deus. Quem não fica encantado ao rezar o salmo 144:

Misericórdia e piedade é o Senhor, ele é amor, é paciência, é compaixão. O Senhor é muito bom para com todos, sua ternura abraça toda criatura… Ele está perto da pessoa que o invoca, de todo aquele que o invoca lealmente”.

Como não perceber na parábola dos dois filhos de Mt 21, 28-32, deste final de semana, que aquilo que agrada a Deus é que sejamos capazes de sintonizar com sua Palavra e fazer sua santa vontade? Que Deus nos conceda a graça de nunca cansar-nos de ouvir sua Palavra em modo que gere em nós vida e alegria espiritual.

Para refletir:

Não é isso tudo muito bonito e convidativo a estabelecer um relacionamento amigável com nosso Deus e Senhor? Será que alguém pode ficar indiferente com esse jeito amável da Palavra de Deus nos falar ao coração? Onde alimento minha espiritualidade diária? Tem fonte melhor que a Sagrada Escritura? O que preciso fazer?

Textos bíblicos: Ez 18, 25-28; Fl 2, 1-11; Mt 21, 28-32; Sl 24.

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.