A Voz do Bispo › 18/10/2019

Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo

“Pedi a toda a Igreja que vivesse um tempo extraordinário de missionariedade para comemorar o centenário da promulgação da Carta Apostólica Maximum Illud, do Papa Bento XV”. A clarividência profética da proposta apostólica de papa Francisco confirmou-me como é importante, ainda hoje, renovar o compromisso missionário da Igreja, potenciar evangelicamente a sua missão de anunciar e levar ao mundo a salvação de Jesus Cristo.

A celebração deste mês ajudar-nos-á a reencontrar o sentido missionário da nossa adesão de fé a Jesus Cristo, fé recebida como dom gratuito no Batismo. O ato, pelo qual somos feitos filhos de Deus, sempre é eclesial, nunca individual: da comunhão com Deus, Pai e Filho e Espírito Santo, nasce uma vida nova partilhada com muitos outros irmãos e irmãs. E esta vida divina não é um produto para vender, mas uma riqueza para dar, comunicar, anunciar: eis o sentido da missão.

Recebemos gratuitamente este dom e gratuitamente o partilhamos (cf. Mt 10, 8), sem excluir ninguém. Deus quer que todos os homens sejam salvos, chegando ao conhecimento da verdade e à experiência da sua misericórdia por meio da Igreja, sacramento universal da salvação.

Cada batizado é uma missão. Quem ama, põe-se em movimento, sente-se impelido para fora de si mesmo: é atraído e atrai; dá-se ao outro e tece relações que geram vida. Para o amor de Deus, ninguém é inútil nem insignificante. Cada um de nós é uma missão no mundo, porque é fruto do amor de Deus. Ainda que meu pai e minha mãe traíssem, Deus nunca Se subtrai ao dom da vida.

Esta vida é-nos comunicada no Batismo, que nos dá a fé em Jesus Cristo, vencedor do pecado e da morte, regenera à imagem e semelhança de Deus e insere no Corpo de Cristo, que é a Igreja.

Assim, a nossa missão radica-se na paternidade de Deus e na maternidade da Igreja, porque é inerente ao Batismo o envio expresso por Jesus no mandato pascal: como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós. (cf. Jo 20, 19-23).

A Igreja continua a necessitar de homens e mulheres que, em virtude do seu Batismo, respondam generosamente à chamada para sair da sua própria casa, família, pátria, da sua própria língua, da sua Igreja local. São enviados aos gentios, ao mundo ainda não transfigurado pelos sacramentos de Jesus Cristo e da sua Igreja santa.

(Síntese da mensagem do papa Francisco para o Dia Mundial das Missões de 2019)

 

Para refletir:

– Como batizado que sou, sinto-me comprometido com a missão de tornar Jesus conhecido e amado pelos não evangelizados?

– Consigo compreender que não simplesmente tenho uma missão, mas que sou uma missão no mundo?

– Para o papa Francisco, missão é partilha gratuita do dom recebido. Qual vai ser minha partilha com a coleta para o Dia Mundial Missionário?

 

Textos Bíblicos: 2 Tm 3, 14-4,2; Lc 18, 1-8; Sl 120 (121).

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.