A Voz do Bispo › 05/09/2018

Amai a justiça, vos que governais a terra

Terminei minha mensagem na semana passada com as palavras que abrem o livro da Sabedoria: “Amai a justiça, vos que governais a Terra” (Sab 1,1), dizendo que falaríamos sobre isso nesta semana. Com esse Livro entramos no mês da Bíblia.

Ao se dirigir aos governantes da terra, o Livro da Sabedoria logo lhe apresenta um dos conceitos de valor mais importante: a justiça. Esta deve se tornar o alvo do amor, ou seja, quem governa deve sentir paixão pela justiça, sendo que tal adesão irá favorecer o surgimento de outras virtudes importantes como a temperança, a prudência e a fortaleza.

A religião da antiga Israel descreve o seu Deus como quem ama a justiça. Consequentemente, somente um rei ou governante que ama a justiça e odeia a perversidade corresponde aos desígnios de Deus e pode ter um governo abençoado.

Parece-me ser uma perspectiva interessante nesse momento em que estamos conhecendo os candidatos que irão governar nosso amado país. Nos debates políticos e na propaganda eleitoral, pelas suas posturas e pensamentos podemos perceber quem são e se carregam em si aquela sabedoria, aquele equilíbro e sensatez necessários para governar com amor e justiça.

Não basta que falem de Deus, que se apresentem como pregadores e até defensores de alguns valores humanos e cristãos que também defendemos.

Um fator determinante que mostra se uma pessoa ama a justiça é se sabe escutar, ouvir o grito do povo clamando por justiça e paz, por direitos, por condições dignas de vida em todas as suas dimensões.

Tenho a impressão que nos deparamos com um debate entre surdos e não um diálogo entre diferentes. Mais do que nunca, não só os candidatos, mas também nós eleitores precisamos que Jesus – como fez com surdo-mudo do evangelho deste final de semana – toque o nosso ouvido, nosso coração e mente, gritando: “Efatá!”, que quer dizer: “Abre-te!”.

Vivemos um tempo delicado de discernimento e precisamos nos deixar iluminar por aquele que fez os surdos ouvir e os mudos falar. O amor e a paixão pela justiça, pelo bem comum, pela solidariedade é critério indispensável para quem quer que assuma a responsabilidade de nos representar e governar nosso país.

O poema da Sabedoria que começa com “Amai a justiça, vós que governais a terra” (1,1) tem como conclusão “pois a justiça é imortal” (1,15). Isto significa que a justiça é o primeiro e mais importante critério de vida e caminho de salvação e libertação.

Se a justiça vem de Deus, para ser um bom cidadão e sábio governante é necessário deixa-se guiar pelo espírito de Deus.  É o que esperamos.

 

Para refletir:

1. Quais são os meus critérios na escolha dos meus candidatos para as eleições em andamento?

2. Como entendo esse texto da Sabedoria: “Amai a justiça, vos que governais a terra”?

3. A justiça não é o simples legalismo. Como ela está presente e que incidência tem no meu dia a dia? É a justiça critério de discernimento para o meu agir?

 

Textos bíblicos: Sab 1,1-15; Mc 7,31-37; Mt 5,20ss.

 

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.